Diário de Bordo Dia 7

dia 7
Sagres - Vilamoura

Diário de Bordo

O contornar do Cabo São Vicente marcou a ponta final da nossa viagem. Sentimos que estamos perto, sentimos que já vivemos muito. O vento estava forte, de acordo com a imponência do local.

Portugal de uma forma geral e a sua costa de uma forma particular, são feitos de constrastes. Contrastes marcantes, intensos, visuais e culturais. O Cabo São Vicente e Sagres são, talvez, dos lugares com a paisagem mais marcante de toda a costa. Na minha opinião, é claro. É um lugar de caráter, digno de um filme épico ao estilo Ridley Scott ou ao estilo fantasista do Peter Jackson. É um lugar que nos transporta para um planeta distante. A mim faz-me voar. Mesmo dentro do barco. A minha imaginação levita e mais uma vez o meu orgulho eleva-se. O nosso país tem lugares extraordinários. Em contraste a todo este cenário, não diminuindo o grau de importância, em poucas milhas entrávamos no vibe veraneante do Algarve. Praias, hotéis, vento tranquilo, temperatura elevada e, claramente, um cenário distinto, quase como a diferença entre o leve e o pesado, o alto e o baixo ou o castanho e o amarelo. No entanto, o laço que agrega estes mundos diferentes é forte. Quase como irmãos, da mesma mãe, mas de pai diferente. Num cenário onde todos se dão bem e passam o Natal juntos. A viagem de barco, com a sua passada náutica, eleva esses contrastes e mistura, de uma forma perfeita, as definições de arrebatador e genial.

Seguimos pela Praia da Luz, Lagos e Portimão. Clássicos intemporais. Mais uma vez a questão da perspectiva entra na jogada e é difícil não ficar impressionado com as alterações das linhas de lugares que conheço tão bem. Impossível não sacar do Samsung Galaxy S10 para não só perpetuar o momento, em jeito de complemento da memória, como também para mostrar lá em casa. Acredito que a expressão de muitos será aquela de espanto digna de um “não acredito!?”. Mais uma vez, percebo a sorte que tenho pelo momento que estou a viver. Sinto-me único. Acredito que os meus fiéis companheiros, Zé e André, partilham o mesmo sentimento. Não acredito que muitos o tenham feito da forma como o estamos a fazer. Dúvido que surja oportunidade para o repetir. Portanto, não me resta alternativa, senão aproveitar cada milha, cada minuto, cada paisagem.

Depois de Portimão, confesso que o brilhantismo da costa e das suas praias me surpreendeu. Talvez por ser um território não tão presente nas minhas visitas frequentes ao Algarve, talvez pela questão da perspectiva, talvez pelo vento favorável que soprava no momento da passagem. Existe um nível de surrealismo elevado na forma como a natureza se encarregou de esculpir esta paisagem, capaz de envergonhar os mestres, como Gaudi ou Salvador Dali, nas suas obras. Confesso que desejei sair do barco, pegar numa toalha, num bom livro e aplicar um protetor com cheiro a praia, e caminhar pela areia dourada até encontrar aquele quiosque com gelados artesanais para depois desfrutar do resto do dia na praia. Assim, sem relógio e com as ondas do mar como banda sonora. O barco seguiu, mas ficou o desejo, em forma de promessa, de explorar esta região e suas praias o mais rápido possível.

Já com o sol na sua luz dourada, lentamente nos aproximamos de Vilamoura, garantindo aquele toque de charme e glamour que também faz bem à alma. Com uma música de batida mais forte, como a experiência o exigia, quase a cheirar a festa na praia, entrei no modo nostalgia. Estava a chegar o final do penúltimo dia. Amanhã a viagem, que é uma viagem de uma vida, chega ao fim.

Amanhã zarpamos em direção a Vila Real de Santo António, com passagem pela Ria Formosa. Será como navegar em casa.