Trabalho e direitos humanos

Trabalho e direitos humanos

Procuramos manter
os mais elevados
padrões

Procuramos manter os mais elevados padrões

Duas mulheres e um homem sentam-se em espreguiçadeiras à volta de uma mesa baixa num espaço de escritório brilhante e sorriem. As mulheres estão a apertar as mãos. Duas mulheres e um homem sentam-se em espreguiçadeiras à volta de uma mesa baixa num espaço de escritório brilhante e sorriem. As mulheres estão a apertar as mãos.

Respeitamos os direitos e as liberdades fundamentais aos quais todas as pessoas têm direito

Garantimos oportunidades iguais para todos os nossos funcionários e candidatos a emprego, e não toleramos qualquer tipo de discriminação. Também respeitamos a liberdade de associação de todos os nossos funcionários. Além disso, empenhamo-nos em incorporar e integrar o respeito pelos direitos humanos na nossa atividade, a fim de proteger e promover os direitos dos nossos funcionários e pessoas na nossa cadeia de abastecimento.

A nossa estrutura para os direitos humanos e laborais

Num firme apoio aos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos (UNGP), estabelecemos e integrámos a nossa própria estrutura de direitos humanos para identificação, prevenção, atenuação e responsabilização por quaisquer impactos adversos das nossas atividades comerciais sobre os direitos humanos.

Também nos empenhamos em garantir, que os nossos fornecedores de primeiro nível efetuam o mesmo nível de escrutínio de riscos de direitos humanos nas suas operações. Além disso, obrigamo-los a que os seus fornecedores ou subfornecedores da Samsung apliquem o mesmo nível das nossas políticas de ambiente de trabalho.

Um diagrama dos seis Direitos e Princípios, apresentados num anel de formas hexagonais: Políticas, Devida Diligência, Acesso a Medidas Corretivas, Transparência e Comunicação, Envolvimento das Partes Interessadas e Governança. Um diagrama dos seis Direitos e Princípios, apresentados num anel de formas hexagonais: Políticas, Devida Diligência, Acesso a Medidas Corretivas, Transparência e Comunicação, Envolvimento das Partes Interessadas e Governança.

Governança

A Comissão Global de Assuntos Laborais (Global Labor Issues, GLI) gere os impactos e riscos nos direitos humanos e laborais. A Comissão GLI, que reúne duas vezes por semana para discutir questões laborais e de direitos humanos, é composta por executivos e funcionários de seis funções (Equipa de Recursos Humanos, Departamento Jurídico, Centro de Colaboração de Parceiros, Centro de Sustentabilidade Corporativa, Centro Global de EHS, Equipa de Relações com Investidores). Quaisquer questões importantes são reencaminhadas para o Conselho de Sustentabilidade, que é composto pelos principais executivos e, em seguida, são comunicadas aos quadros superiores.

Uma imagem ilustrativa da estrutura em forma de pirâmide. O Conselho de Administração, a Comissão de Governança, o Conselho de Sustentabilidade, a Comissão GLI (Global Labor Issues) são colocados de cima para baixo. Uma imagem ilustrativa da estrutura em forma de pirâmide. O Conselho de Administração, a Comissão de Governança, o Conselho de Sustentabilidade, a Comissão GLI (Global Labor Issues) são colocados de cima para baixo.

Políticas

Estabelecemos um conjunto robusto de políticas laborais e de direitos humanos com base na Declaração Universal dos Direitos Humanos, nos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos (UNGP); nas Diretrizes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OECD) para Empresas Multinacionais; na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (CCNPC); na Declaração da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. Cumprimos o Código de Conduta da Responsible Business Alliance (RBA) e as leis e regulamentos dos países onde realizamos as nossas atividades.

Um grande plano das mãos de um homem a escrever num computador portátil, com uma imagem ilustrada de um documento com uma lista de verificação projetada em frente ao ecrã do computador. Um grande plano das mãos de um homem a escrever num computador portátil, com uma imagem ilustrada de um documento com uma lista de verificação projetada em frente ao ecrã do computador.

Código Global de Conduta e Diretrizes

Todos os funcionários são obrigados a cumprir o "Código de Conduta Global" e as "Normas de Conduta Empresarial", que fazem parte dos nossos esforços para sermos mais responsáveis nas nossas atividades empresariais.

Políticas laborais

Desenvolvemos e implementámos um conjunto de políticas dedicadas à proteção de grupos vulneráveis.

  • Política de Proibição do Trabalho Infantil
    379 KB
  • Política relativa a trabalhadores migrantes
    658 KB
  • Política dos trabalhadores estudantes na China
    185 KB
  • Diretrizes para os sistemas de aprendizagem na Índia
    179 KB
  • Diretrizes sobre a prevenção do assédio
    168 KB

Temos vindo a disponibilizar aos nossos funcionários programas de formação adaptados a cada local de trabalho, com o objetivo de cumprir as nossas políticas de direitos humanos e sensibilizar para o respeito dos direitos humanos. Em colaboração com as agências da ONU, bem como com organizações especializadas em formação empresarial e de direitos humanos, empenhamo-nos em aumentar as capacidades dos funcionários em lidar com questões laborais e de direitos humanos, ao disponibilizar formação personalizada para funções de trabalho. Depois de desenvolver materiais de formação adaptados às responsabilidades profissionais de todos os funcionários em colaboração com BSR, lançámos o programa de formação abrangente em matéria de direitos humanos e laborais em 2020. Iremos continuar a disponibilizar formação personalizada para quaisquer temas relevantes.

Devida diligência

Implementámos um sistema equipado com protocolos internos e externos, para identificar e monitorizar riscos de direitos humanos nos locais de trabalho e em toda a cadeia de abastecimento.

Um homem a usar um colete de segurança em néon e uma mulher a usar vestuário de negócios estão de pé ao lado de prateleiras num grande armazém de embalagens e a referir-se a uma lista numa prancheta. Um homem a usar um colete de segurança em néon e uma mulher a usar vestuário de negócios estão de pé ao lado de prateleiras num grande armazém de embalagens e a referir-se a uma lista numa prancheta.

Os nossos locais de trabalho

Avaliamos o nível de conformidade com os direitos humanos e do trabalho e monitorizamos as atividades de melhoria utilizando três protocolos diferentes: auditoria RBA no local, avaliação de risco interno da Samsung Electronics, avaliação de impacto sobre os direitos humanos (Human Rights Impact Assessment, HRIA).

Uma vista em grande plano das mãos com luvas de uma pessoa a colocar smartphones Galaxy S21 em caixas de embalagem pretas numa superfície de trabalho verde. Uma vista em grande plano das mãos com luvas de uma pessoa a colocar smartphones Galaxy S21 em caixas de embalagem pretas numa superfície de trabalho verde.

Auditoria no local da Responsible Business Alliance

Como membro da Responsible Business Alliance (RBA), aplicamos o código de conduta da RBA na gestão dos nossos locais de trabalho. Com base nos resultados do RBA SAQ (questionário de autoavaliação) efetuado nos nossos locais de trabalho, selecionamos seis ou sete deles todos os anos e aplicamos o protocolo RBA de auditoria no local, para identificar os riscos do ambiente de trabalho nesses locais. De acordo com o protocolo, uma empresa de auditoria externa aprovada pela RBA, realiza auditorias em termos de trabalho, saúde e segurança, ambiente, ética e sistemas de gestão. Se for identificada alguma insuficiência, os locais de trabalho devem submeter e implementar um plano de ação corretivo.

Processo de avaliação interna de riscos da Samsung Electronics

  • 01.Selecionar destinatários da avaliação

    Seleciona seis a sete locais de trabalho todos os anos, que têm de aumentar as capacidades e fazer melhorias gerais
    com base nos
    resultados da avaliação do sistema de monitorização.

    O nosso sistema de monitorização do local
    de trabalho

    Apoia a aplicação de normas laborais e de direitos humanose a gestão da
    conformidade, como um sistema de
    monitorização para avaliar o ambiente de trabalho, cultura do
    local de trabalho, órgãos
    representativos e gestão de fornecedores, etc.

  • 02.Formação da equipa de auditoria

    Organizar um grupo de especialistas composto por funcionários qualificados, incluindo auditores certificados RBA.

  • 03. Autoavaliação

    Autoavaliação dos locais com base na lista de verificação de inspeção

  • 04. Auditoria no local

    Realização uma auditoria no local com base nas normas da Samsung Electronics

  • 05. Gestão de acompanhamento

    Partilha dos resultados da inspeção com a equipa de gestão do respectivo local de trabalho

    Estabelecimento de planos de melhoria futuros e medidas para evitar a recorrência, no prazo de uma semana após a conclusão
    da inspeção

    mplementação de tarefas de melhoria, através da
    formação de um grupo de trabalho, composto por
    especialistas em recursos humanos e segurança ambiental

    Monitorização mensal do progresso das tarefas de melhoria, através do sistema de monitorização do local de trabalho

Avaliação de impacto sobre os direitos humanos (HRIA)

Realizamos avaliações de impacto sobre os direitos humanos para identificar riscos reais e potenciais, assim como impactos adversos sobre os direitos humanos que possamos ter causado, a que estamos associados ou para os quais contribuímos. A nossa primeira avaliação de impacto sobre os direitos humanos foi realizada no Vietname em 2018. Nessa altura, para manter um ponto de vista objetivo no processo, colaborámos com a BSR (Business for Social Responsibility), uma organização sem fins lucrativos especializada em empresas e direitos humanos.

Empenhamo-nos em abordar os problemas identificados na devida diligência com a implementação de medidas de correção, atenuação e prevenção, incluindo o desenvolvimento e análise de políticas, realização de programas de capacitação e a melhoria dos processos de trabalho nas nossas operações.

Cadeia de abastecimento

Alinhamos o nosso Código de Conduta do Fornecedor com o código de conduta RBA e divulgamos as atualizações com os nossos fornecedores. Disponibilizamos também um guia para ajudá-los a cumprir o código de conduta e a implementar a gestão de conformidade nas suas operações. De acordo com os padrões de verificação RBA, monitorizamos regularmente todos os fornecedores para garantir que eles identificam problemas e fazem as melhorias necessárias. Para garantir um ambiente de trabalho seguro, também exigimos aos nossos fornecedores de primeiro nível, que incentivem o cumprimento por parte dos seus fornecedores ou subfornecedores que colaborem com a Samsung.

Acesso a medidas de correção

O nosso procedimento de resolução de litígios baseia-se nos "Critérios de eficácia dos mecanismos de litígios não judiciais", estipulados na 31ª cláusula dos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos. Qualquer pessoa pode apresentar uma queixa formal e não deve ser discriminada, nem enfrentar represálias por apresentar queixa. Procuramos assegurar que o procedimento é transparente e que os direitos dos envolvidos são respeitados em todas as etapas. Garantimos também o anonimato de qualquer pessoa que apresente uma queixa.

Um grande plano das mãos de 3 a 4 pessoas juntas e com as palmas empilhadas umas em cima das outras num gesto de grupo atencioso. Um grande plano das mãos de 3 a 4 pessoas juntas e com as palmas empilhadas umas em cima das outras num gesto de grupo atencioso.

Canais de comunicação de litígios

Temos vários canais de litígio implementados, tendo em conta as características do local de trabalho e as situações locais.

01. Online

Intranet da empresa

02. Offline

Caixas de sugestões colocadas em áreas sem videovigilância

03. Central de apoio

Por telefone ou e-mail

04. Comissão

Conselho de empresa, comissão de trabalhadores

05. Telemóvel

Aplicação intranet da empresa

06. SNS

Canal de comunicação da empresa

※ Canais para partes interessadas externas : https://sec-audit.com | endereço de e-mail: civilsociety@samsung.com

※ Canais para partes interessadas externas :
    https://sec-audit.com
    endereço de e-mail: civilsociety@samsung.com

Procedimento de resolução de litígios

  • 01

    Relatório
    de litígios

    Notificação de
    receção
    no prazo de 24 horas

    Funcionários e partes interessadas
    externas
    relatam
    todas as queixas

    relacionadas com a empresa

    É designado um
    gestor de casos

  • 02

    Confirmação
    e análise
    de litígios

    No prazo de 5 dias
    após a receção

    Confirmação dos detalhes
    e factos constantes na queixa
    apresentada

    Audição do queixoso
    sobre as medidas
    pretendidas

    Avaliação das medidas
    de correção de acordo
    com os dados confirmados

  • 03

    Notificação
    de resultados

    No prazo de 7 dias
    após a receção

    Comunicação dos
    resultados da
    avaliação e recolha de
    feedback do
    queixoso

  • 04

    Resolução
    de litígios

    Varia caso a caso

    As queixas são resolvidas através de medidas como formação, ação disciplinar contra o acusado, disponibilização de informações úteis ou apoio e melhoria de infraestruturas, políticas e procedimentos relacionados

※ Se cada etapa não for processada atempadamente
devida motivo razoável, o queixoso será
notificado do motivo específico

Transparência e comunicação

Apresentamos relatórios detalhados sobre como respeitamos os direitos humanos e do trabalho nas nossas atividades empresariais nos relatórios de sustentabilidade com base na norma GRI, entre outras.

Além disso, de acordo com a Lei sobre a Escravatura Moderna do Reino Unido, comunicamos as nossas declarações anuais ao Registo de Escravatura Moderna.
Somos uma das empresas selecionadas por duas referências industriais mais influentes: o Corporate Human Rights Benchmark (CHRB) e Know the Chain (KTC). Embora o CHRB se concentre na comparação e avaliação de empresas em termos de direitos humanos e laborais, o KTC analisa atentamente questões relacionadas com o trabalho forçado.

Uma imagem aérea de um computador portátil, uma chávena de café e uma cópia encadernada e impressa da Declaração da Lei de Escravatura Moderna da Samsung Electronics sentada a uma secretária. Uma imagem aérea de um computador portátil, uma chávena de café e uma cópia encadernada e impressa da Declaração da Lei de Escravatura Moderna da Samsung Electronics sentada a uma secretária.

Envolvimento das partes interessadas

Continuamos a envolver as partes interessadas globais, na promoção da cultura de respeito pelos direitos humanos não só na nossa empresa, mas também em todo o setor. Ao desenvolver políticas e programas de formação, colaboramos com organizações ou agências especializadas em direitos humanos e participamos em várias iniciativas multilaterais.

Desde 2018, organizamos fóruns anuais com várias partes interessadas no Vietname. Em 2020, realizámos o 3º fórum em cooperação com a VCCI (Câmara de Comércio e Indústria do Vietname) e a VGCL (Federação Geral do Trabalho do Vietname) e debatemos o tema ""Gestão de crise da Covid-19 e contramedidas, gestão de recursos humanos e mudanças tecnológicas após a pandemia da Covid-19”. O fórum acolheu mais de 200 partes interessadas, incluindo especialistas e convidados de ONGs, órgãos de comunicação social e meios académicos.

Uma foto do Presidente da Samsung Vietname a falar no Fórum de Partes Interessadas Múltiplas 2020 da Samsung: “Gerir a crise de uma forma socialmente responsável: partilha de experiências com a pandemia de Covid-19” em Hanói, Vietname. Uma foto do Presidente da Samsung Vietname a falar no Fórum de Partes Interessadas Múltiplas 2020 da Samsung: “Gerir a crise de uma forma socialmente responsável: partilha de experiências com a pandemia de Covid-19” em Hanói, Vietname.

Em colaboração com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), organizámos vários workshops sobre recrutamento ético e escravatura moderna, frequentados pelos nossos funcionários, fornecedores e parceiros comerciais em locais de trabalho na Hungria, Eslováquia e Malásia. Os workshops serviram como uma excelente oportunidade para sensibilizar para a proteção dos direitos humanos dos trabalhadores migrantes e partilhar a importância de erradicar o trabalho forçado.

Ao trabalhar com a agência alemã de desenvolvimento (GIZ) e parceiros como BMW Group e BASF, lançámos o “Cobalt for Development (C4D)”, um projeto piloto numa mina de cobalto artesanal na República Democrática do Congo. Como parte deste projeto, estamos a realizar várias atividades para ajudar a alcançar um progresso real para a comunidade local, como a formação de segurança ocupacional aos mineiros locais e a construção de novas escolas primárias e secundárias para crianças locais.